Porque sempre me sinto inferior?

Tudo bem, eu sei que estou meio ausente (12 dias sem postagem é bastante tempo né?), mas vocês entendem.. rotina nova... emprego novo.. tempo novo.. (que por incrível que pareça agora eu tenho mais tempo, no entanto eu o utilizo menos... vai entender).

Bem, hoje não vou me prolongar muito.. gostaria apenas de falar sobre um tema que tem me perturbado ultimamente...

Não sei porque, mas estava analisando que toda a minha convivência parece ser de pessoas que são, de alguma forma, melhores do que eu. Talvez não em tudo.. mas não sei, tenho me sentido um pouco inferior ultimamente.. 

Não com respeito a minha história de agora.. mas com a minha história de sempre....

Eu não sei dizer.. o que quer dizer.. o que vou dizer.. mas sei lá.. estou meio esquisita por "n" motivos. E um deles é isto, acho que me sinto um pouco com complexo de inferioridade para certas coisas da vida em relação a outras pessoas...

Sabe, aquela história de "n" fulanos tem situação financeira, ambiente familiar, relacionamento amoroso, amigos, parentes, cachorro, piriquito e papagaio.. parece que tudo é melhor do que eu... e isto não é inveja.. é apenas um sentimento estranho que acabo sentindo de mim mesma.. como se eu não estivesse a altura.. ao mesmo nível.. como se eu sempre fosse inferior..

Bem, o fato é que tenho me sentido assim e nem mesmo eu sei o que é isto.. para tanto, andei fazendo umas pesquisas no Wikipédia para saber do que se trata e estou registrando a todos que queiram saber também...


Complexo de inferioridade
Um complexo de inferioridade, nos campos da psicologia e da psicanálise, é um sentimento de que se é inferior a outrem, de alguma forma. Tal sentimento pode emergir de uma inferioridade imaginada por parte da pessoa afligida. É freqüentemente inconsciente, e pensa-se que leva os indivíduos atingidos à supercompensação, o que resulta em realizações espetaculares, comportamento anti-social, ou ambos. Diferentemente de um sentimento normal de inferioridade, que pode atuar como um incentivo para o progresso pessoal, um complexo de inferioridade é um estágio avançado de desalento, freqüentemente resultando numa fuga das dificuldades.
Conceituação
Os trabalhos pioneiros neste campo foram realizados por Alfred Adler (1917), que usou o exemplo do complexo de Napoleão para ilustrar sua teoria. Alguns sociólogos propuseram que um complexo de inferioridade pode também existir num nível mais amplo, afetando culturas inteiras. Esta teoria controvertida, é conhecida como inferioridade cultural.
A psicologia adleriana clássica faz uma distinção entre os sentimentos de inferioridade primário e secundário. Diz-se que um sentimento de inferioridade primário está enraizado na experiência original de fraqueza, desamparo e dependência experimentadas por uma criança pequena. Ela pode ser intensificada por comparações com outros irmãos e adultos. Um sentimento de inferioridade secundário relaciona-se às experiências de um adulto em atingir um objetivo final inconsciente, fictício, de segurança e sucesso subjetivos para compensar-se por sentimentos de inferioridade. A distância percebida daquele objetivo levará a um sentimento "negativo" que pode então instigar o sentimento de inferioridade original; este composto de sentimentos de inferioridade pode ser experimentado como acabrunhante. O objetivo inventado para remediar o sentimento de inferioridade primário original, que realmente provoca o sentimento de inferioridade secundário é o "Ardil-22" deste dilema. Este círculo vicioso é comum em modos de vida neuróticos.
Causas
  1. Por nascimento – todo ser humano nasce com sentimentos de inferioridade porque quando de seu nascimento, é dependente do que para ele são super-humanos ao seu redor;
  2. Atitudes dos pais – 1-comentários negativos e avaliações de comportamento que enfatizem erros e lapsos determinam a atitudes de crianças até os seis anos de idade; 2-comparação que os pais fazem dos seus filhos com outras pessoas, geralmente, enfatizando que seus filhos são errados, enquanto que os outros são certos em determinada coisa;
  3. Defeitos físicos – tais como ser manco, características faciais desproporcionais, defeitos da fala e visão defeituosa causam reações emocionais e se conectam a experiências desagradáveis anteriores;
  4. Limitações mentais – provoca sentimentos de inferioridade quando comparações desfavoráveis são feitas com as realizações superiores de outrem, e quando performance satisfatória é esperada, mesmo quando as instruções não possam ser compreendidas;
  5. Desvantagens sociais – família, raça, sexo ou status econômico.
Manifestação
Este sentimento pode se manifestar das seguintes formas:
  1. Recuo – desistência de contatos sociais;
  2. Agressão – busca excessiva de atenção, crítica alheia, obediência excessivamente obsequiosa e preocupação.
Lidando com o complexo de inferioridade
Pode-se seguir a seguinte estratégia para lidar com o complexo de inferioridade:
  1. Consciência – trazer o complexo ao nível consciente;
  2. Superar ou aceitar – superar a incapacidade ou aceitar as conseqüência

E ai, entenderam??? 
Nem eu...  =\  
Mas acho que uma hora passa.... deve passar...

Comentários

Ludmilla disse…
Tantas coisas para dizer, mais a principal é auto estima bem elevada é importante, caso não aconteça faça uma terapiazinha, voce vai ver como é maravilhoso descobrir quem voce é! Abraço! Estou seguindo, voltei aos blogueiros.
Maiçá Chaves disse…
Eu aprendi esses dias Sil uma coisinha bem simplizinha, mas que a gente nunca lembra de fazer.O problema é que a gente sempre faz tudo, querendo agradar a outras pessoas, e acaba esquecendo que a primeira pessoa q tem q ser agradada somos nós mesmo!
Pensa nisso meu amor, se ponha sempre em primeiro lugar que assim se vai loonge!
bjao
Geane Luciana disse…
Muito Interessante o que colocas...da parte da psicologia!
Também sofro com isso constantemente
e isso nunca me fez bem...

estou trabalhando isso, ninguem é perfeito!
Geane Luciana disse…
Muito Interessante o que colocas...da parte da psicologia!
Também sofro com isso constantemente
e isso nunca me fez bem...

estou trabalhando isso, ninguem é perfeito!
Luna disse…
Engraçado, eu me senti assim hoje, com uma noticia que tive. Mas acho que é uma sensação que passa. Você com certeza não é menos, você não é igual, e o jardim do vizinho parece ser sempre mais verde né?

Saudades daqui, beijos Sil!
Eraldo Paulino disse…
Eu sei o que é isso. De vez em quando eu passo por isso. por mais que algumas pessoas me acusemde egocêntrico, eu não me acho melhor que as pessoa, e vivo me sentindo pior. Mas passa sim ,Sil, claro que passa. Você, que é mulher, deve saber mais do que eu que não nos desesperamos porque não é só a felicidade que é instável, mas também a tristeza..

Bjs!
Thomaz Ribeiro disse…
Essas coisas acontecem. Todos os dias nós temos dúvidas a respeito de nossas capacidades, deve ser o medo de ser julgado. No entanto a maior parte de nossos medos são infundados e, no fim das contas, vemos que o nosso grande inimigo somos nós mesmos e nossos grandes complexos. Nada é permanente, nem nossos medos.
Ah, obrigado por sua visita. Senti sua falta em meu blogue. A propósito, a foto no perfil é sua? Me dou conta de que não sei como você é.
Abraços e boas vibrações.
Déia disse…
Quem sabe é hora de procurar um bom psicólogo e trabalhar isso?!

eu recomendo!

bj

Postagens mais visitadas deste blog

Família é Família... Agregados também!!!